Obras revolucionam 63 escolas algarvias

#algarve2020 || EM DESTAQUE || OUTUBRO 2021

Arquitetura bioclimática em edifícios envidraçados, espaços amplos e luminosos, redes e equipamentos modernos e eficientes, salas construídas de raiz, incluindo centros de apoio à aprendizagem. A lista continua.

34 milhões de euros é quanto se está a investir na melhoria das infraestruturas escolares, com o apoio do Programa Operacional Regional do Algarve. Fomos espreitar o que mudou em Quarteira, Portimão e Praia da Luz.

A passagem pela soleira da porta é acompanhada por uma interjeição que expressa espanto.

Sem combinar, mãe e filha soltam um “Uau” simultâneo. Ambas estudaram na EB 2,3 D. Dinis com  3 décadas e meia de intervalo, mas o espaço que agora pisam, apesar de ser o mesmo, nada tem a ver com o que conheceram. Maria está a começar o 9º ano e, ao olhar à volta, percebe, com pena, que vai estrear o novo edifício precisamente quando é finalista do 3º Ciclo do Ensino Básico. Para o ano, já não estará ali.

À volta, os outros alunos também rodopiam sobre os calcanhares, de olhos postos no enorme pé direito do hall. Cheira a novo. A luminosidade que se espalha pelo espaço amplo e arejado vem de um rés do chão todo envidraçado, com quadro térmico e acústico. No piso térreo, não há alvenaria. Quando se entra, à esquerda, os serviços administrativos estendem-se por uma zona cheia de clarabóias, inundada em permanência pela luz do dia. À direita, em dois pisos, estão as salas de aula. A estrear.

No exterior, uma pala garante a sombra e a proteção contra a chuva e o vento.

Foi tudo construído de raiz, para substituir “uma escola que há 36 anos educa Quarteira”, brinca Manuel Nora, o diretor.

Escola D. Dinis - Quarteira

Olá, século XXI!

A intervenção na Escola Básica do 2º e 3º Ciclos – D. Dinis tem um investimento superior a 5 milhões de euros, 70% dos quais comparticipados pelo CRESC Algarve 2020. O espaço estava em avançado estado de degradação. Não foi possível preservar nenhum dos 5 edifícios interligados.

No seu lugar, surgiu uma nova estrutura unificada e adaptada à escola do século XXI. São 10 salas de aulas para o 2º Ciclo, 16 salas para o 3º Ciclo, mais salas específicas para Educação Visual e Tecnológica, laboratórios totalmente modernizados, sala de Música e de Tecnologias de Informação e Comunicação. “Tudo totalmente equipado, incluindo novo vídeo-projetor e os computadores mais atualizados do mercado”, explica Manuel Nora. “As salas estão todas climatizadas com ar condicionado, renovação de ar e aquecimento”.

A arquitetura bioclimática inovou até nas portas, inicialmente pensadas para 3 metros de altura, mas que, no decorrer da obra, se adaptaram às exigências da Pandemia: “as portas ficaram com 2 metros, a altura normal, mas o restante espaço foi ocupado por um sistema basculante, no mesmo material da porta, que permite a ventilação”. Além do conceito do edifício, os componentes do isolamento térmico pelo exterior asseguram que a estrutura se mantém fresca no verão e que retém o calor, no Inverno.

Escola Jose Buisel em Portimão

Remexer as entranhas

A menos de 65 km, em Portimão, outra Escola Básica do 2º e 3º Ciclos – mais ou menos contemporânea da de Quarteira – também sofreu obras de fundo, pela primeira vez desde a década de oitenta do século passado. Integrada no agrupamento Manuel Teixeira Gomes, a EB2,3 Professor José Buísel não foi deitada abaixo, mas cada um dos 7 edifícios vai sendo alvo de uma intervenção estrutural. É um remexer das entranhas: redes de água e esgotos, instalação elétrica, tetos e pavimentos, janelas, paredes exteriores e interiores. Tudo está a ser remodelado.

Os pavilhões amarelos e laranja deram lugar ao branco como cor dominante, cortada por uma tira colorida que varia entre edifícios. Também aqui a claridade contrasta com os blocos escuros, que eram a realidade antes da intervenção. De novo, o ar condicionado em todas as salas vem garantir que, à medida que o ano letivo avança, alunos, professores e auxiliares conseguem enfrentar de forma confortável as diferentes amplitudes térmicas.

Investimento de 3,5M€ em Portimão

Na Escola Básica 2,3 Professor José Buísel que integra o agrupamento de referência da unidade de autismo, a diretora Goreti Martins lembra que, antes das obras, “ havia duas salinhas que tínhamos adaptado, mas que não eram adequadas para o trabalho com os dez alunos com estas necessidades educativas especiais”.

A intervenção permitiu também a melhoria dos gabinetes dos grupos disciplinares, o que "assegura o trabalho colaborativo na construção de materiais, na partilha, no plano digital”.

O investimento de quase 3,5 milhões de euros teve uma comparticipação comunitária que ronda os 2 milhões de euros, mas não inclui equipamento ou mobiliário. Esse passo deverá ser dado com uma nova candidatura ao CRESC Algarve 2020. “Fizemos o levantamento de todo o material e enviámos para a autarquia que agora deverá pedir os orçamentos e fazer os projetos”, explica.

Entre os espaços intervencionados, está o refeitório, central para uma escola que durante a pandemia manteve a cantina aberta para assegurar mais de uma centena de refeições diárias a alunos carenciados. “A escola fica no centro de Portimão e abrangemos muitos alunos de um nível socioeconómico baixo”, justifica Goreti Martins. Com parte dos encarregados de educação desempregados, muitos deles estrangeiros, sem rede familiar de apoio, além do almoço, o agrupamento acaba por fornecer também um reforço alimentar.  “Temos  noção de que, para muitos, é a única refeição do dia e de que não é só para aquela pessoa, pois alguns alimentos são levados para casa, daí reforçarmos as quantidades. Em casa há mães e pais desempregados…”.

Centro-Escolar-da-Luz-Lagos

Espaço para todos em Lagos

O investimento de 34 milhões de euros em 63 escolas algarvias, executado pelos municípios, através das candidaturas ao Programa Operacional Regional do Algarve, é transversal e abrange equipamentos um pouco por toda a região.

Na Praia da Luz, no arranque do ano letivo, as obras já estavam concluídas, com exceção do estacionamento. Foi mais uma das escolas construídas de raiz. O edifício veio substituir a Escola Básica e Jardim de Infância de Espiche e a Escola Básica da Luz.

Na prática, para alunos, professores e famílias, é um respirar de alívio. Além de todo o espaço exterior, que permite agora às crianças correr ou jogar à bola, por exemplo – algo que mal dava para fazer anteriormente –, a intervenção trouxe outras mudanças substanciais: mais salas de aula, o que só no Pré-Escolar permitiu acolher mais 30 crianças e, no 1º Ciclo, deixou de ser necessária a existência de turmas mistas, partilha de sala e o horário duplo (manhã e tarde). Agora, cada turma passa a ter a própria sala.

O novo espaço permitiu também criar condições para que o Centro de Apoio à Aprendizagem possa acolher e dar respostas adequadas aos 6 alunos com necessidades especiais. Numa escola que, há décadas, desenvolve um trabalho de referência nesta área, “a educação especial desenvolvia as terapias em espaços pouco funcionais, ao fundo da sala ou num gabinete de arrumos”, admite a professora Goreti Oliveira.

Os professores, os assistentes operacionais, os pais e o psicólogo dispõem agora também de espaços próprios para interagir. Passou a haver biblioteca.  Para almoçar, os alunos dispõem agora de um refeitório onde são confecionadas as próprias refeições. “Antes, era necessário deslocarem-se a Espiche, onde também não havia cozinha. A comida era levada por uma empresa externa e as refeições eram servidas no Polivalente da escola, onde decorriam as atividades extracurriculares e as festas “. A construção desta Escola Básica com valências de Pré-Escolar e 1º Ciclo foi um investimento próximo dos 3,5 milhões de euros, com mais de um milhão de euros comparticipados por fundos comunitários.

Conheça mais histórias como esta. Subscrevendo os nossos destaques.